quarta-feira, 29 de junho de 2011

Limiar

E o beijo sutil foi o limiar…
Sorri sem que você pudesse ver, e torci sinceramente para muitos outros momentos como aquele. Que, sem sombra de dúvidas, você tem feito valer à pena.
Mas isso você sabe, são coisas de amores imperfeitos, que são as flores da estação...!

3 comentários:

  1. Esse amor imperfeito é só um (e nosso), meu amor.

    ResponderExcluir
  2. belo poema! pelo sentimento! um justo e digno para ti

    >> =]

    ResponderExcluir
  3. Lágrimas de Areia

    Lá estava ela, triste e taciturna.
    Testemunha de efêmeros conflitos,
    Com um olhar perdido no tempo,
    Não exigia nada em troca
    A não ser um pouco de atenção.

    Sentia-se solitária, oca,
    Os homens admiravam-na pelos seus dotes.
    As crianças, em sua eterna plenitude,
    Admiravam-na muito mais além...
    ... Mais humana!

    De sua profunda melancolia
    Lágrimas surgiram.
    Elas não umedeceram o seu rosto,
    Mas secaram o seu coração,
    O poço da alma,
    Aumentando cada vez mais
    A sua sede.

    Lá ela permaneceu; estática, paralisada!
    Esperando que o vento do norte a levasse
    Para bem longe dali!

    O dia começou a desfalecer.
    Seu coração, outrora seco e vazio,
    Agora pulsava em desenfreada arritmia.
    Desespero!
    A maré estava subindo...

    Em breve voltaria a ser o que era:
    Um simples grão de areia.
    Quiçá um dia levado pelo vento,
    Quiçá um dia... Em um porto seguro.


    Do livro (O Anjo e a Tempestade) de Agamenon Troyan

    ResponderExcluir